Espécies descritas

Apesar de muito transparentes, as águas da Bodoquena ainda escondem verdadeiros tesouros naturais. Quanto mais os cientistas estudam, mais descobrem que têm apenas um rascunho das riquezas da região. Estimativas avaliam que cerca de 20% das 80 a 90 espécies dos peixes da Bodoquena ainda não foram descritas pelos biólogos.

O maior desconhecimento dos peixes está nos grupos formados por pequenos lambaris e bagres. A descrição de uma espécie equivale à “certidão de nascimento” científica. Para a montagem do quebra-cabeça da conservação ambiental, a lista das espécies de um ecossistema é a peça básica. Na Bodoquena não é diferente e este trabalho tem sido realizado em equipe de diversas instituições, coordenadas pelo Projeto Peixes de Bonito.

Durante a expedição realizada em 2004 por pesquisadores da USP, UFMS e UNIDERP que integram o Projeto Peixes de Bonito, foram encontradas duas espécies de peixes ainda desconhecidas aos olhos da ciência.

O cascudo Ancistrus formoso (abaixo, à esquerda) e o lambari Moenkhausia bonita (abaixo, à direita) são espécies descritas por pesquisadores do Projeto Peixes de Bonito.

Realizar a gestão ambiental de uma área sob pressões crescentes, com ambientes delicados e cujas espécies sequer são conhecidas adequadamente é um grande desafio. O caminho para equacionar o manejo desses ambientes está fundamentalmente ligado à ampliação do conhecimento científico da biodiversidade da região.

Palavras-chave: